quarta-feira, 7 de junho de 2017

Provas servem como provas? Dilma defende Temer melhor que defendeu a si mesma.

Resultado de imagem para gilmar mendes diz que o pt tem 6 bilhões
O TSE também vai decidir se o que disse o seu presidente perde a validade quando muda o interesse.

O TSE está para decidir se prova vale como prova no julgamento da chapa Dilma-Temer.  A defesa de Dilma, que nada mais tem a perder, está defendendo Temer melhor que a defesa do atual presidente. Só quem pode cair é Temer, mas o PT quer Temer no cargo sustentando o resto nos tribunais. Só um moribundo político como o atual presidente pode servir a outros moribundos em busca de amparo nas cortes. Não por outra razão, corremos o risco de mostrar ao mundo que no Brasil prova não vale como prova.
Um ministro pró-Dilma e pró Temer perguntou ao relador Herman Bejamim se ele poderia ter ouvido no processo os delatores da Odebrecht sem que a acusação ou a defesa tivessem requerido. É o caso de perguntar se os empregados  de um supermercado podem ser ouvidos num processo se os donos do mesmo Supermercado tiverem sido assassinados na hora do saque e ninguém aparecer para sugerir a oitiva das testemunhas oculares.
O Brasil não quer perder o título de aberração do mundo para mais ninguém. O TSE vai decidir hoje se é possível vencer eleições comprando adversários e eleitores e anular as provas depois para não ser importunado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário