segunda-feira, 8 de maio de 2017

Merkel consegue manter invasão alemã à França com vitória do preposto Macron

Resultado de imagem para angela merkel com macron

Não há foto do presidente eleito. Ele é só um gerente do FMI e da UE para assuntos da França. Os recados de Merkel chegarão primeiro a Lagarde.

Bem que a eleição francesa deveria ter esperado pelo dia 10 de maio. Pareceria mais fiel aos fatos e o resultado seria a celebração do aniversário de 77 anos da Queda de França, ou Invasão da França e Países Baixos pela Alemanha de Hitler. Ontem como hoje, termina a Guerra da Mentira e Paris se contenta com a manutenção em pé de seus monumentos e a prostituição em massa em seus bordéis, abrindo mão da França como ela foi no passado pela França como ela é hoje em dia, cuja capital se transformou no cabaré de luxo do ocidente, em contraste com tão rica e bela história. Em troca de visitantes com alguns dólares e euros dispostos a pagar caro em seus bares e bordéis, Paris e outras cidades populosas abriram mão de um projeto nacional para se manter fiel a sua atual mandatária, a gerontona Alemã Ângela Merkel. 
A democracia das grandes empresas transnacionais respira. O presente está provando que o Reino Unido, este sim, é o verdadeiro guardião das civilizações. Viva o Brexit, a triunfal saída do Reino Unido da falida, arcaica, descaracterizada e espoliada União Européia. Não haverá Frexit, ou saída francesa do bloco. Os franceses preferiram salvar os empregos das salivosas prostitutas de seus famosos bordéis.  
A título de informação, as empresas transnacionais mantiveram a França sob seus domínios com o seguinte placar final:
Emanuel Macron, candidato dos espoliadores: 66,1%
Marine Le Pen, candidata nacionalista:              33,9%.
Marine não conseguiu vencer a  mídia financiada pelas grandes empresas e governos da UE e terminou abatida pelo economista escolhido para vestir o papel de novidade. Ele se afastou do comando das finanças falidas da França um ano antes, justamente para poder se dizer independente e centrista. 

O assunto não é raso. Demanda tempo para debatê-lo. Poderemos abordar depois. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário