quarta-feira, 5 de junho de 2013

Satisfações que devo

Caros leitores,
Não é de hoje que venho aqui, diariamente, postar aquilo que considero relevante e que, acima de qualquer suspeita, corresponde aos fatos. Caso houvesse uma remuneração de apenas R$ 1,00 por acesso, eu seria um homem de quase 4 Milhões de Reais somente da parte oriunda deste blog. Mas quantidade não é o nosso foco. O foco é qualidade e replicabilidade de uma tese, de uma ideia central. Disse certa vez, quando desacelerei as postagens, que precisamos dividir a tarefa de formular ideias e difundir nossa opinião. Também deixei claro que não me alegro ao ver o contador de acessos batendo no teto, se entre os leitores estão pessoas que frontalmente discordam das nossas teses e as combatem diuturnamente, insistindo na implantação desse modelo político que nos levará ao caos - já instalado.

CONTUDO, nas últimas semanas, me deparei com fatos recentes, que podem apontar na direção oposta do que nacionalmente se desenhava. Sabem os senhores e senhoras mais antigos aqui, que tenho foco nacional, com apenas 30% nas questões locais, sejam municipais ou estaduais. Sabem também que faço parte de uma rede democrática, e para esta sirvo de fonte de informação. Por muitas vezes, esta nossa rede obrigou a imprensa paga e encabrestada do País a divulgar fatos graves que tentava encobrir, sob pena de desmoralização. O Meu Araripe, por algumas vezes, deu em primeira mão notícias que só meses após os grandes veículos começaram a tratar. A pré-candidatura de Eduardo Campos, por exemplo, foi divulgada aqui quando até seus mais fiéis seguidores ainda o tratavam como acessório do PT. Só depois que Campos desbancou o PT na capital pernambucana a maioria começou levar a sério a nossa informação. É só um exemplo.

POIS BEM
Não estou conseguindo encontrar entre as fontes mais confiáveis a segurança de outros tempos para fazer afirmações. Da mesma forma que não quero postar para iludir o leitor da minha cidade e da minha região, também, e muito mais, não quero levar parceiros de causa Brasil à fora a embarcar em ideais que mais adiante possam parecer furadas. Estou maturando, sondando, esperando os acontecimentos definitivos para então postar com a convicção de sempre. Cito um exemplo. Há cerca de três semanas, postei aqui, também em primeira mão, que o Ministro Fernando Bezerra Coelho poderá embarcar no PSD de Kassab. Seria para final de junho. Isto quer dizer muito e também pode não dizer nada.
Considerem que os partidos e os políticos que não toleram os tratos e maus tratos do PT (quase todos) decidiram vestir roupa de camuflagem e orquestraram um teatro coletivo nacional. Digamos que Fernando Bezerra é um deles. Digamos que o petrolinense aceitou brigar (nas aparências) com Eduardo Campos para continuar com a máquina na mão. Digamos que Kassab tenha acertado que isto era necessário. Digamos por fim que FBC no PSD representa sua candidatura a vice na chapa do PSB, que nacionalmente apoiaria Eduardo Campos, que posteriormente levaria novamente FBC ao ministério.
Negar esta hipótese seria acreditar que Fernando Bezerra vai mesmo mudar de partido e de lado mais uma vez, trair outros companheiros e engolir os desaforos de Isabel Cristina e Odacy Amorim, seus rivais de Petrolina.

VEJAM, PORTANTO, que Pernambuco é o CENTRO do país, e que da decisão de Fernando Bezerra Coelho depende muita gente, inclusive este editor de notícias políticas para continuar falando firme e falando a verdade.

A PARÓQUIA
Estou meio pensativo, reflexivo e prudente. Também estou lambendo minhas feridas. Vejo que a turma nova está com gás, postando tudo e correndo os riscos que um dia eu corri. Torço pelo sucesso de todos eles. Sei que não mais enfrentarão os paredões que enfrentei. A liberdade está instalada e consolidada por aqui. Pode parecer exagero, mas considero cada blogueiro ou jornalista corajoso dessa cidade e região uma espécie de filho estimado. Não é novidade para quase ninguém que vivi os anos iniciais de combate nesta região. Fui, sem concorrente, o criador da imprensa investigativa e livre por aqui, o quebrador de amarras, o 'cachorro-doido' que ousou morder o mocotó dos mais fortes, quando minha consciência me incentivava a desnudar coisas que o tapete não mais comportava. Faço questão de ser lembrado por isso. Tenho orgulho. Me envaideço. Por este e não por outro motivo, passei a acumular processos e a visitar a Justiça, a ouvir as mesmas peças de acusação, a oferecer sempre as mesmas respostas e a esperar por sentenças que teimavam em demorar a sair. Felizmente, a maioria já saiu. Das acusações de 'crime' de imprensa, estou livre de quase todos. Dos transversais ou colaterais, da mesma forma. Não posso dizer o mesmo sobre aqueles a quem enfrentei com o Jornal Voz do Sertão. Não é desabafo. É apenas registro histórico. Durante tantos anos, colecionei leitores, seguidores (na mídia), admiradores e também desafetos.  Hoje, já pintando o cabelo de branco, olho para cada um daqueles que um dia combati e fico com uma certeza: Eles preferiam ter evitado que eu noticiasse e talvez, se hoje pudessem escolher, fariam exatamente o oposto daquilo que noticiei. As pessoas melhoram. Outras melhoram e amolecem. É o meu caso. Estou menos corajoso agora. Cada tributo quitado, fruto da ousadia, vai deixando a gente mais pensativo. Com filhos para educar, formar, tornar gente decente, todo guerreiro fica mais pensativo e menos ousado.
Vou repetir: Pernambuco é o centro do País. Politicamente falando sim. Dilma será ou não reeleita. Isto é fato. Outro fato é que o destino do PT e de todos os mensaleiros passa pela decisão de Eduardo Campos. Estou torcendo para que ele saia do Palácio do Campo das Princesas com a mesma decência que seu avô entrou e saiu várias vezes. Sobretudo de cabeça erguida, mesmo quando a companhia era gente fardada que o tirava à força da cadeira de governador.

SOBRE TEMAS LOCAIS
Estou andando pouco. Meus paradeiros são restritos: Minha empresa, meu trabalho, minha casa, propriedade, e vez por outra o Senadinho, onde lancho e ouço as novidades de suas excelências. Estão me cobrando posicionamento acerca de assuntos locais. Gostaria de me desculpar pelas omissões. Me cobram para falar da cor da bandeira; me cobram determinação no combate à pedofilia. E eu gostaria de dizer que o buraco é mais em baixo. Muito mais fundo. Este blog é de política. Não me compete vazar nem investigar quem vaza isso ou aquilo nos inquéritos sigilosos. Outros casos devem aparecer, e é preciso isenção e sobretudo prudência, para não ocorrer injustiças e também para que não se espalhe o pânico. Por outro lado, quando vou à praça do Senadinho, só arrisco comer  mungunzá (de Neide), cachorro quente e outros salgados, pois tudo que é cozido na praça é bom e saudável. Também não costumo denunciar sem provas. Sobre a câmara, pelas razões conhecidas, me declaro suspeito para fazer qualquer juízo de valor ou de projeto de cor.
Quero contribuir apenas para sepultar uma velha afirmação. Aquela segundo a qual 'quem  agrada os filhos agrada os pais'. Estou falando no bom sentido, e apenas para que certos comportamentos de boa vizinhança e amistosidade sejam revistos enquanto vivemos momentos de inquietação e desconfiança nas pessoas. E, sobretudo, enquanto está na moda gritos e apologias ao homossexualismo escancarado, com consequente abalo da instituição família, como acaba de protagonizar Daniela Mercury, aquela que para sair da baixa nas vendas e apresentações adotou uma causa de gente com dinheiro farto e lado definido. Nada contra a diversidade e liberdade sexual, apenas considero prudente preservar a instituição família.

ARARIPINA
Diferente de alguns, vejo que uma nova Araripina está começando a ganhar cara. Certamente esta nova Araripina que começa a surgir herda problemas antigos e obedece traçados antigos, curvas antigas e por vezes incompreensíveis.  Mas, além do velho centro, das velhas ruas sem passagem para o longe, novas fronteiras se abrem. Basta andar. Basta olhar sem paixões ou ressentimentos. Tudo parece demorado. Mas na feitura de um lugar, o tempo é medido de forma diferente. Quem nasce, cresce e logo é abatido é frango. Araripina é outra coisa. Nasceu para ser grande e não apenas para crescer, viçar, brilhar e em seguida  morrer e ser depenada aos sessenta dias de vida. Quando  OTL e FLAMAC baterem asas, certamente teremos a beleza e o brilho de um belo pavão, a força de um trator e a inteligência e criatividade de um japonês formado em engenharia eletrônica. Tudo vai dar certo. Eu acredito no que preguei, nos companheiros de palanque e nos propósitos do nosso governante.

SÃO JOÃO: O melhor São João do Mundo.
Estamos em festa, pois os festejos juninos já começaram. Os bairros estão animados, a moçada mostrando  talento e enfrentando as primeiras competições da vida, aprendendo a lidar com vitórias e derrotas e sobretudo aprendendo a avaliar-se e a avaliar aquele a quem enfrenta. As quadrilhas juninas, que no governo Dionéa Lacerda surgiram para dar vida e manter acesa as tradições (fruto de um projeto pensado e executado por quatro jovens idealistas: Ronaldo Lacerda, Aírton Lage, Iveraldo Nascimento e João Muniz), abrem os festejos juninos de nossa cidade. Não duvidem. Araripina oferece o Melhor São João do mundo. Caruaru e Campina Grande disputam o título de maior. O de melhor é nosso e ninguém tasca. Desde o começo, em 1993, o lema já era este: "Não vá para o maior, venha para o melhor São João do Brasil".
O Parque já passa por reformas. O piso de dança começa a ser reparado para ninguém tropeçar. Araripina te espera. Aqui ninguém fica parado.

POSTAGENS
Naturalmente, quando eu voltar a postar como dantes, deixarei de me explicar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário