terça-feira, 14 de maio de 2013

Mais um


Da Agência Estado

Grampos da Operação G7 da Polícia Federal interceptaram um telefonema do governador Tião Viana (PT) para o empreiteiro e ex-presidente da Federação das Indústrias do Acre (Fieac) João Francisco Salomão, preso ao lado de outras 14 pessoas suspeitas de fraudar licitações de obras no Estado. Entre os presos na sexta-feira passada está um sobrinho do governador.

Na conversa gravada pela PF com autorização judicial, o governador - que não é alvo das investigações - avisa o investigado sobre uma linha de crédito bancário em Sergipe “sem garantia da obra” e “sem amarras”. Segundo o inquérito da PF, a conversa descrita no tópico “Linhas de crédito para capital de giro para as empresas do cartel” evidencia que os empreiteiros presos “tinham proximidade com o poder público”.

Além do sobrinho do governador, Tiago Viana, que é diretor de Análises Clínicas da Secretaria do Estado de Saúde, foram presos na operação o secretário de Obras, Wolvenar Camargo, o diretor-presidente do Departamento de Pavimentação e Saneamento, Gildo César (que tem status de secretário), o ex-secretário de Habitação, Aurélio Cruz, exonerado no início do ano, e o secretário adjunto de Desenvolvimento e Gestão Urbana da prefeitura de Rio Branco, Assuranipal de Mesquita.

Dos 15 presos na operação, pelo menos nove são homens de confiança do governador e do ex-governador e atual senador Jorge Viana (PT-AC) - que também não figura entre os investigados.

Na interpretação feita pelos agentes da PF do diálogo entre Viana e o empresário preso, “o governador diz que fará a mediação” da linha de crédito para o grupo acusado e que tal operação “se dará via Fieac”, com as secretarias da Fazenda, de Planejamento e de Obras atestando os contratos.

Viana diz na conversa que é para Salomão “tratar da operação de crédito” com o Banco do Estado de Sergipe (Banese) “via Federação das Indústrias”. O governador também pede um encontro entre os investigados e seus secretários.

A quadrilha, segundo a PF, era investigada desde 2011. Em apenas seis contratos, no valor de R$ 40 milhões, eles teriam provocado um rombo estimado em R$ 4 milhões aos cofres públicos. Conforme as investigações, o grupo, organizado em cartel, burlava concorrências e superfaturava contratos de pavimentação e obras de habitação.

O esquema tinha como alvo principal os dois maiores projetos em andamento no Estado: o Ruas do Povo e o Cidade do Povo, com investimento de mais de R$ 1,5 bilhão para pavimentação e construção de casas populares. Sete empresas se alteravam na simulação das licitações, segundo a PF. “Essas empresas dominavam as licitações do Estado na área da construção civil em cartel”, disse o superintendente regional da PF do Acre, Marcelo Rezende Vieira.

Clínica. Parte dos suspeitos, incluindo o sobrinho do governador é investigada também por fraude de contratos da Saúde. Em outra conversa telefônica gravada pela PF, o empresário Narciso Mendes Júnior, preso na Operação G7, sugere que o governador teria se comprometido com ele a apoiar a abertura de uma clínica em Rio Branco, que, segundo a investigação, foi montada exclusivamente para fraudar exames da rede pública de saúde.

A criação do Centro de Medicina Diagnóstica Ltda., conforme a PF contou com o auxílio de Tiago Viana. No diálogo captado no dia 30 de setembro de 2011, Narciso liga para o pai e relata o suposto encontro que teve com o governador, no qual teria sido apresentado a um médico de Rondônia com interesses em também montar uma clínica no Estado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário