quinta-feira, 4 de abril de 2013

Homofobia venezuelana

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, presidida pelo deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), acusado por ativistas de movimentos sociais de ser homofóbico e racista, aprovou ontem uma moção de repúdio ao "comportamento homofóbico" do presidente em exercício da Venezuela, Nicolás Maduro. Em discurso no mês passado, Maduro disparou: "Eu, sim, tenho mulher, escutaram? Eu gosto de mulheres". A afirmação dele, seguida por um beijo em sua mulher, foi interpretada como uma insinuação sobre a sexualidade de seu adversário nas eleições presidenciais venezuelanas, Henrique Capriles, que é solteiro. Maduro já havia chamado Capriles de "maricón" (gay) no ano passado, o que provocou protestos de ativistas. As eleições no país ocorrem no próximo dia 14.(Folha de São Paulo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário