domingo, 28 de abril de 2013

Uma passagem para Paris

Mil passagens para quem mora na periferia do Brasil. Esta foi a  solução encontrada.

No fim da Primeira Guerra Mundial, quando os soldados americanos voltavam para casa, fizeram uma música que perguntava “como vamos mantê-los trabalhando no campo depois que eles conheceram Paris?”

É uma pergunta tola posta aqui, agora, muitos anos depois, num blog editado por um civil, que por cima é matuto do Sertão. Vou explicar rápido, para encurtar a história. Tão rápido quanto desliguei a GloboNews ontem à madrugada, interrompendo Willian Waack com o controle eletrônico.
Anotem aí que eu já anotei faz tempo. O PT aposta na burrice do povo, na falta de classe média e pensante para lhe tirar do poder. O PT sabe que o brasileiro é provinciano sem rodas e sem horizonte. Sabe que a maioria que decide eleição não ultrapassa a linha que separa a sua porta de casa da porta da empresa que trabalha ou do banco onde saca com o Cartão Cidadão custeado pela classe média sufocada - e pensante.

Tire alguém que mora aqui para passar uma semana em Paris.

Ontem, na GloboNews, três especialistas debatiam com Willian Waack o momento do Brasil e a integração com os demais países. Um 'papo cabeça'. Não se falava de política. Afunilou-se para discutir o que o Brasil tinha a ganhar com os grandes eventos que batem à nossa porta - Copa das Confederações, Juventude Católica no Rio, Copa do Mundo e Olimpíadas. Dois se mostraram assustados e um (petista) nem aí. Os dois que já 'visitaram Paris - forma de aqui  dizer que são cosmopolitas e muito viajados - alertaram que o Brasil poderia 'queimar o filme', que muitas notícias ruins poderiam enxovalhar a imagem do País lá fora, trazendo prejuízo à nossa economia e até prejudicando os eventos seguintes, Olimpíadas mais inda. Um exemplo foi citado: Na China, perde-se menos de 5 minutos em filas de aeroportos, consulados, etc. Lá, ninguém perde tempo nem dinheiro em estradas ruins, pois todas são boas. Lá não se enxerga  mazelas, favelas, rios poluídos,esgotos à céu aberto. Lá, tudo funciona e não existe trombadinha querendo roubar um celular ou carteira do turista - e a China é emergente como o Brasil.

PASMEM!
Como quase todo petista só pensa em renovar o mandato de Dilma para se dar bem às nossas custas, o que estava na bancada entre os três saltou fora e sapecou: "Quem decide eleição é o povão, e o povão não usa aeroporto nem pega estrada, nem precisa de consulado!"  E fez gozação: "O imposto no Brasil é eletrônico. A classe média paga automaticamente e o governo tem dinheiro no caixa". Talvez com alguma palavra ou vírgula noutro lugar, mas querendo dizer que a classe média paga imposto sem alternativa de não pagar e o governo está deixando faltar tudo para o coletivo justamente para ter dinheiro suficiente para comprar o voto daqueles que acham que o Brasil vai bem e se contentam com qualquer migalha que sobra da farta mesa arrancada através de impostos cobrados à classe média - e pensante.
Willian mostrou-se irritado com a infelicidade do 'animal' e encerrou lacônico: "Parece que estamos discutindo a reeleição de Dilma". O programa foi encerrado, eu acho. Desliguei e fui dormir com mais essa da turma de Dirceu.


UMA PASSAGEM PARA PARIS
Assim como o comando do exército americano se questionava como seria possível manter seus soldados focados no treinamento depois de eles terem conhecido o 'frescor' de Paris, devemos nos perguntar: Como mudaremos a cabeça de um povo que acha bom viver na lama e sequer cobra escola por não gostar de sala de aula? É preciso que levemos Paris(em fotos e filmes) para que se conheça, nos rincões anestesiados e dominados pelos corruptos do PT, o que é vida em lugar desenvolvido e civilizado. É preciso mostrar o que é desenvolvimento mesmo em países emergentes como a China. Uma passagem para Paris é impossível para cada um. Que se prove ao menos que Santiago do Chile, e a menor cidade daquele País oferecem cem vezes mais qualidade de vida do que as chamadas grandes metrópoles brasileiras, cobrando apenas metade dos impostos que no Brasil é arrancado da sofrida classe média.

A OPOSIÇÃO deveria ser mais inteligente. Poderia criar o turismo da realidade nacional. Chamaria um eleitor desinformado de cada lugar atrasado, inclusive da periferia das grandes cidades, para um turismo na América Latina. Coisa para lotar 50 ônibus e gerar notícia. A expedição cruzaria o Brasil de Norte a Sul. Aproveitaria para comprar em feiras-livres e supermercados a fim de comparar os preços de hoje com os preços do período da campanha em 2014, medindo assim a inflação. Esta viagem serviria para mostrar com clareza a qualidade dos nossos mercados públicos e matadouros se comparados aos de países da nossa própria região - que o brasileiro desinformado chama de atrasada e pobre como se fôssemos avançados e ricos. Mostraria a esse grupo a qualidade das estradas, dos hospitais e escolas do Brasil e lá fora faria o mesmo, provando que lá é um direito de todos e aqui um tormento para todos. Mostraria com quanto vive uma família no Chile, por exemplo, e quanto essa mesma família paga de impostos. Tudo devidamente filmado. Tudo preto no branco. Depois devolveria a cada lugar desse atrasado País um cidadão mais consciente. Claro! Só com cidadãos conscientes poderemos mudar esse atraso. Temos que reconhecer que com escola vai demorar séculos. O governo insiste em pagar uma miséria aos professores. Ao ver que seu professor não tem sequer uma moto para andar, o aluno se pergunta: "Pra que estudar? E responde a si mesmo: O Bolsa família é melhor! Em seguida, sai da sala e vai se divertir na praça que mistura prostituição com bebida, e onde adolescente que abandonou a escola um pouco antes pede esmola ou 'vende' segurança privada para automóveis, o que muitas vezes é entendido como ameaça de depredação em caso de negativa.


EU SOU OTIMISTA. Tudo var dar certo no Brasil. Desde que você consiga convencer o governo a pagar bem aos professores, que por sua vez comprariam casas belas e carrões importados, e manteriam elevado padrão de vida, despertando a boa inveja nos que estão querendo crescer na vida ao ingressar na escola aos cinco anos de idade; OU GERANDO INVEJA, ao patrocinar esse turismo coletivo pelas Américas, já que uma passagem para Paris sai mais caro. SIM! Sempre foi assim. O mundo é movido pela boa inveja. Paris se enfeita para ser melhor que Londres, e ao contrário também. Com isto, os cidadãos parisienses e londrinos crescem como gente, se preparam mais, estudam mais, trabalham mais e ganham mais. Já que é imbecilidade querer competir com Paris, peçamos desculpas aos atrasados vizinhos para mostrar que podemos ser iguais a eles - Daqui a cem anos.
O buraco é muito mais em baixo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário