quarta-feira, 13 de março de 2013

Um argentino é o novo Papa. Quer ser chamado de Francisco I


O cardeal Jorge Mario Bergoglio foi escolhido pelos 115 cardeais e anunciado pelo mais velho dos cardeais-diáconos, o francês Jean-Louis Tauran. Bergoglio vai se chamar Papa Francisco. Ele é argentino. Sua escolha foi recebida com frieza e surpresa pelos católicos que lotavam a Praça de São Pedro.
Vai demorar muito até que um brasileiro chegue a ser Papa. A vez era esta. É pouco provável que um outro latino-americano venha ser escolhido para suceder o argentino.
De qualquer modo, o poder saiu um pouco de Roma. Resta saber se o novo Papa tem envergadura ou se será apenas um objeto nas mãos de tantos outros da Cúria que jogaram a igreja em deplorável crise moral, ética e religiosa. Resta torcer para que o argentino consiga abrandar os corações de milhões de brasileiros que não gostam do 'estilo argentino' de ser, seja dos  políticos e sobretudo de seus jogadores. Para o maior país católico do mundo, foi uma 'facada'.
Para provar, fica a frase: "O Papa é argentino". Vá se acostumando.
As igrejas evangélicas do Brasil podem pensar diferente. Devem crescer ainda mais.

Um comentário:

  1. Buenas, soy argentino. Aclaro que soy ateo y me importa muy poco que papa hayan elegido, porque todos esos cardenales son mas o menos la misma cosa. Lo que me llama la atencion es ver tantos amigos brasileños enojados por la nacionalidad del papa. Me parece una postura infantil y superficial, nada espiritual eso de mezclar religion con futbol y demas prejuicios estupidos. Lo mismo me resulta el triunfalismo argentino. Y asi, ignoramos las cosas realmente importantes. Mientras nos contentemos con festejar un mundial o la eleccion de un jerarca religioso, nunca vamos a dejar de ser Tercer Mundo. Un abrazo a Todo Brasil, soy argento pero amo su pais!

    ResponderExcluir