sexta-feira, 22 de março de 2013

A seca segue, infelizmente.

Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

A seca que castiga Pernambuco vai continuar este ano no Sertão. A informação é de técnicos do sistema nacional de meteorologia, que estiveram reunidos nesta quinta-feira (21) com o governador Eduardo Campos (PSB), na sede provisória do Governo, no Centro de Convenções, em Olinda.

No Grande Recife e na Zona da Mata, a expectativa trazida pelos pesquisadores é de uma melhora no volume de chuvas, podendo chegar também ao Agreste num segundo momento. O Sertão teve pequena melhora com relação ao mesmo período do ano passado, mas nada substancial.

O Estado vive a pior estiagem dos últimos 50 anos. No ano passado, pelo menos 125 das 184 cidades pernambucanas decretaram situação de emergência, de acordo com a Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe).

A questão teve influência no Produto Interno Bruto (PIB) estadual. Segundo dados da Agência Condepe/Fidem, divulgados este mês, o
PIB da agropecuária teve uma queda de 15% em 2012, frustrando o crescimento da economia de forma geral, que ficou em 2,3%, quando a expectativa inicial era de 5%.

Todos os meses, meteorologistas do País inteiro se reúnem para monitorar as condições climáticas e fazer previsões, cada mês num Estado, e deste vez a "sede" foi Pernambuco. O encontro serviu para apresentar ao governador os resultados. Participaram representantes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac). A próxima reunião do grupo será em Alagoas.

CAMPANHA - Na tentativa de sensibilizar a população em relação à seca, será iniciada nesta quinta-feira (21) uma campanha de uso racional de água. "Temos de romper a cultura de apenas enfrentar a seca e construir uma cultura de conviver com a seca", observou o governador.
Foto: Aluísio Moreira/divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário