terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

A renúncia e a obra do Papa

Papa cumpriu expectativas, mas deixa obra incompleta

O cardeal Ratzinger não queria ser papa. Quando foi escolhido, traçou metas importantes. Teve de renunciar ao trono de Pedro com o trabalho incompleto
VEJA On Line
Em pouco menos de oito anos de pontificado, Bento XVI protagonizou triunfos e fracassos, acumulou tropeços e façanhas, errou e acertou - como quase todos os outros ocupantes do trono de Pedro. É impossível fazer uma avaliação definitiva de seu papado nos dezessete dias que restam para que ele entregue o anel do pescador e se afaste de vez, numa cerimônia marcada para 28 de fevereiro.
Mesmo sem a perspectiva histórica necessária para dimensionar sua importância dentro da extensa lista de pontífices do Vaticano, já é possível dizer que o legado de Bento XVI deixou pelo menos uma pessoa decepcionada: o cardeal Joseph Ratzinger, que entrou no conclave de sucessão de João Paulo II como decano do colégio cardinalício e saiu dele, em 19 de abril de 2005, como novo chefe da Igreja Católica.
Como papa, o alemão foi, em linhas gerais, o que a maioria já previa: um líder mais discreto e menos midiático que o antecessor, um defensor ferrenho da doutrina católica, um protetor da liturgia da Igreja.

Foto:/AFP

Ratzinger não desejava ser papa. Uma vez escolhido, porém, queria mais do que apenas confirmar as impressões que todos tinham sobre ele. O alemão tinha alguns objetivos muito claros.
Ao renunciar, tem de sofrer não apenas com o peso dessa controversa decisão, mas também com a impressão de que não atingiu nenhuma de suas grandes metas - e com a conclusão inescapável de que deixa inacabado seu extenso trabalho a serviço da Igreja.
Leia a íntegra em Papa cumpriu expectativas, mas deixa obra incompleta

Nenhum comentário:

Postar um comentário