sábado, 10 de novembro de 2012

A prefeitura não recolheu o jegue morto

Está passando dos limites. Os serviços essenciais estão se acumulando e o interventor, que chegou com fama de 'durão', corre o risco de sair da cidade com a fama de relapso.
Jumento morto, que 'repousa' bem perto da entrada da AEDA, autarquia que cuida dos cursos superiores oferecidos em Araripina, lá continua repousando, enquanto aumenta de volume e muda de cheiro. Faz medo os estudantes de fora se perguntarem: "Araripina é a terra de jumento morto?"
Não só o jumento 'repousa' em rua movimentada. Lixo e entulho também se amontoam. Para não se assustar, não saia dos eixos principais. Qualquer rua transversal lhe traz um desconforto tamanho. Estamos bem parecidos com qualquer lugarejo da velha Índia.
Pelo visto, está sobrando quem bajule e faltando quem ajude. Ou todo mundo está com medo da patente do homem?

FRASE UNIVERSAL DE ADVERTÊNCIA

ATUALIZADO, EM 11 DE NOVEMBRO.
Passei no lugar, hoje ao meio dia. Não vi o jegue por lá. Resta saber quem o removeu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário