segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Humberto Costa se elegeu senador nas costas de Eduardo Campos e queria tomar a prefeitura de João da Costa. Rompeu com Eduardo por isso.


Como já era previsto, o senador Humberto Costa não quis esperar pelo “day after” para anunciar seu rompimento com o PSB e o governador Eduardo Campos. Aproveitou a passagem do ministro Alexandre Padilha pelo seu comitê, sexta passada, para abrir as baterias contra ambos. Chamou o PSB de “falsa esquerda”, por ter-se aliado ao senador Jarbas Vasconcelos para “isolar” o PT, e acusou o governador de pressionar Lula para não vir ao Recife a fim de fazer campanha em seu favor.
Essas críticas no campo político já tornariam insustentável a permanência do PT no governo estadual,após as eleições. Mas além delas o senador fez outras no campo administrativo. Ele se insurgiu, por exemplo, contra o projeto do Governo do Estado de construir quatro novos viadutos na Avenida Agamenon Magalhães, obra concebida para melhorar a mobilidade urbana durante a Copa de 2014. E atacou sem piedade a Parceria Público-Privada do saneamento liderada pela Compesa.
Essa PPP foi definida pelo senador como “privatização” da Compesa, o que evidentemente é um exagero. Como o próprio nome diz, caberá a um investidor privado universalizar o saneamento na região metropolitana do Recife. E em troca desse investimento ele poderá explorar o serviço pelo prazo de 30 anos. É exatamente o que a presidente Dilma fez com aeroportos e rodovias, que o PT chama de “concessão”. Tudo isso leva a crer que os petistas jáarrumamas malas para desembarcar do governo.
(Do blog de Inaldo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário