segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Araripina: Um crime atrás do outro; ameaças de invasão de casas e clínicas, respostas em tom elevado, edições criminosas de falas levadas ao guia eleitoral.


A campanha eleitoral de Araripina está pegando fogo. A vantagem de Alexandre Arraes nas ruas, sítios e povoados, estampada nas bandeiras, e a diferença nos eventos está levando o comando da campanha de Dra. Socorro ao desespero, a ponto de sua equipe de propaganda cometer um crime atrás do outro no guia eleitoral. Depois de ser punido uma vez tendo que conceder direito de resposta a Valmir Filho, e de depois reincidir dando direito de resposta não reivindicado pela coligação do 40, chegou a vez do uso de parte de gravações ilegais, editadas, desfocadas do contexto real, com o intuito único de criar fato novo que anime a militância verde, abatida com eventos bastante inferiores aos eventos realizados pela coligação laranja.

FATOS CONCRETOS
O médico Ryan Lacerda, irmão do candidato a vice-prefeito Valmir Filho, é homem simples e do povo, simpático e  conquistador de amigos, sobretudo entre as pessoas mais simples. É Ryan Lacerda o responsável principal pelo embandeiramento expontâneo das casas com o laranja. É ele quem coordena o trabalho de visualização de ruas, bairros, sítios  e distritos. Por isso ele virou alvo de agreções pessoais e de uma armação arquitetada por mentes perversas, provavelmente de pessoas que não são de Araripina, ou se são, não moram mais aqui, não tendo vínculo de afeto com os moradores da nossa terra.

AMEAÇAS A RYAN
Segundo relarou o médico, ele foi ameaçado por pessoa ligada à campanha adversária. Estava na companhia de outro médico, quando alguém, supostamente embriagado, expôs os planos de invadir sua casa e até a UNICLINIC, se lá encontrassem bandeiras laranja. No momento, Ryan reagiu afirmando que continuaria fazendo o trabalho de embandeirar Araripina com a ajuda da militância e a permissão das pessoas. De pronto afirmou que sua casa era segura, quando ouviu que o ataque poderia se dar pelos fundos da casa de sua mãe, a ex-prefeita Dionéa Lacerda .
Neste momento, Ryan advertiu que poderia contratar cinco seguranças e que qualquer um que fosse a sua casa, à casa de sua mãe ou à UNICLINIC tinha que se preparar para  enfrentar seguranças, e que o que ocorresse não seria culpa sua, por está agindo em legítima defesa. Disse que tinha condições financeiras de contratar os seguranças a Mil Reais por mês. Foi esta a informação que Ryan apresentou indignado, logo depois que ouviu sua fala ser distorcida pelo guia eleitoral de Dra. Socorro, que usou uma suposta ligação telefônica em que reafirmava o que disse pessoalmente a uma das pessoas com quem travou diálogo ríspido em defesa da família.

CRIME
Usar gravações ilegais é crime. Usar montagens e trucagens é crime eleitoral, o que resulta em direito de resposta e até processos intermináveis, que transbordam da campanha para o campo profissional das pessoas envolvidas.
Este blog já havia alertado para o clima de insegurança e ameaças que ocorria na campanha. Contudo, vamos manter o nível elevado, não permitindo que a nossa 'janela' se transforme em canal de veiculação de  deformidades morais, sobretudo envolvendo questões pessoais.
Estou juntando informações e acontecimentos também envolvendo minha pessoa e minha campanha. O tempo me ensinou a ser cuidadoso. Ainda ontem houve invasão da minha casa por pessoa supostamente embriagada fazendo ilações e criando clima tenso, inclusive desrespeito, na minha ausência. O mesmo se deu na minha Farmácia, onde houve  tom ainda mais inadequado, sempre estando a mesma pessoa no centro dos acontecimentos. Por amizade às famílias e a ela própria, relação de amizade construída no passado, estou relevando tudo, deixando a campanha passar para restaurar as amizades, se for possível. Procurei as pessoas mais ponderadas e equilibradas mais próximas para que entrassem em ação. Algum resultado houve, mas não o bastante para freiar a onda de agressões verbais. Alguém precisa  dizer ao responsável maior pela campanha de Dra. Socorro que existe uma coisa chamada 'freio de arrumação'.
Outros episódios já estão sendo catalogados. Coincidência tem limites.


OUTRO CRIME
O irmão do candidato a prefeito Alexandre Arraes,  engenheiro Paulo Arraes, foi atraído para a casa de um dos integrantes da campanha de Dra. Socorro. Lá foi pedir que deixassem sua vida em paz,  pois não é político, e que deixassem em paz a sua mãe, dona Suzete, que já beira os 80 anos de idade e está sofrendo com os ataques que são desferidos em comícios e no guia eleitoral.  O diálogo travado também foi gravado, prova de que houve armação, ficando excluída a fala da outra parte envolvida, o que demonstra a distorção promovida com fins eleitorais.
Isto também é crime duplo, gerando direito de resposta.

DIREITO DE RESPOSTA
A coligação "Por Amor a Araripina" está entrando com pedido de direito de resposta.  Amanhã o guia eleitoral deverá ser bem mais quente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário