sábado, 4 de agosto de 2012

Transparência

Tive que deixar tudo de lado para cuidar de apenas uma coisa inesperada, no dia de ontem: Uma certidão que o procurador contratado pela minha coligação esqueceu de solicitar correramente no Tribunal de Justica.
Ontem o dia foi dedicado quase que exclusivamente a isso. Mesmo na correria, consegui fazer o bem a alguém, de outro lado e de outra coligação, que estava na mesma situação.
Fiquei devendo um favor tremendo a duas pessoas, que agiram rápido e em apenas uma hora conseguiram fazer o que outras não conseguiram por razões divesas em semanas. A certidão que os contratados esqueceram de providenciar corretamente chegou às 18:30 de ontem, quando o Cartório já se preprava para fechar.
Ainda vou procurar saber se o agradecimento poderá ser público.

TRANSPARÊNCIA: UMA VEZ APOSTEI
Por conta de uma aposta realizada no ano de 2000, aposta que perdi e paguei, terminei respondendo a esse processo abaixo. O sistema do TJ trava a emissão de Certidão Negativa para quem responde a qualquer processo - até de 'paternidade'. Para sanar tal situação, pede-se uma narrativa nas varas da comarca.Esta narrativa é encaminhada para um centro de triagem no TJ de Recife. 
Abasteceram meu pedido de registro de candidatura com uma certidão emitida por um Cartório que não oexigido na legislação. Detectei o problema e solicitei das duas varas de Araripina que emitissem as narrativas. Paguei as taxas no dia 11 de julho. Somente ontem, depois de muito esforço, um amigo de velhas datas saiu de suas atribuições e foi resolver isso para mim, lá na capital.  Eu descobri sem querer que um candidato do lado oposto estava na mesma situação. Fui solidário e o avisei. Aqueles que se envolveram para resolver o meu problema também resolveram o dele.
Às 18:30 eu estava no cartório dando entrada na minha certidão e também na certidão do outro candidato. Foi aí que descobri outra coisa: O(a) advogado (a)  que deveria me acompanhar não estava habilitado(a) para atuar no meu processo. Coincidência ou não, nenhum advogado estava habilitado para atuar no processo do outro candidato. Outra coincidência: o advogado e amigo que me ajudou em Recife ontem é  o mesmo que me ajudou no já distante ano de 2000 no mesmo processo 'gerado' em virtude da aposta  (desse mesmo processo). Isto poderá ocupar muitas páginas de um livro de sociologia que estou decidido a escrever depois da eleição. Repito: Não sou sociólogo.
Com tanta coincidência, só falta agora eu e esse outro candidato sermos eleitos com a mesma votação,  de preferência com votos de pessoas esclarecidas, do tipo que estranha coincidências muito grandes.
Faz parte.

Este é o único processo a que respondo, fruto de uma aposta sobre o resultado de eleição (2000). Outros movidos contra o Jornal Voz do /Sertão não foram adiante. Eu só cumpria o dever de bem informar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário