segunda-feira, 11 de junho de 2012

Sim, mas já estava tudo preparado há mais de dois anos.

Esta é do blog de Inaldo Sampaio:
Está nas mãos do prefeito João da Costa o destino da candidatura de Humberto Costa à sucessão municipal. Se o prefeito decidir apoiá-lo, hipótese em que pouca gente ainda acredita, o senador tem grandes chances de levar para o seu palanque o governador Eduardo Campos e os partidos que vinham ensaiando uma “candidatura alternativa”. Do contrário, estará contribuindo para deixar o senador no isolamento e sem perspectiva nenhuma de vitória nas eleições de outubro próximo.
Para o atual prefeito, entretanto, isso faz pouca diferença. Ele já perdeu o direito de disputar a reeleição, por obra e graça da executiva nacional do seu partido, que não o queria como candidato, e derrotar o candidato escolhido por ela seria sua vingança e a do grupo que o acompanha. O risco que corre é ser responsabilizado pela direção pelo insucesso do candidato, mas isso também não o sensibiliza. Ele acha que foi garfado pela executiva e aguarda a hora de dar-lhe o troco.
Essa conta é fácil de fazer. Sem o apoio do prefeito, o senador Humberto Costa não unirá o PT. E sem a unidade do partido o governador Eduardo Campos não apoiará o seu candidato, assim como os seis partidos que chegaram a ensaiar o lançamento de uma candidatura alternativa. Em português claro, o prefeito João da Costa está fora do jogo porque nem candidato à reeleição o PT permitiu que ele fosse. Mas, paradoxalmente, tem poder de fogo para derrotar o candidato do seu partido.

MEU ARARIPE
O blogueiro da capital só não quis dizer que isto já estava planejado há pelo menos dois anos. Estava na cara que Eduardo Campos não permitiria que o PT continuasse com a prefeitura da capital fazendo besteiras e inviabilizando o crescimento de Recife, muito menos que aparelhasse a prefeitura para criar-lhe problemas em 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário